«

»

Imprimir Post

Museu Carnavalet em Paris

Ano novo, blog novo.

Tá, não tem nada de novo. Mas estou retomando oficialmente as atividades blogueiras, depois de uma pausa bem merecida para curtir a família. Foram alguns dias de muita correria, outros só ficando de bobeira, mas todos ótimos, aproveitando cada minuto.

Ontem acompanhei meus pais, os últimos que ainda estavam aqui, para tomar o avião de volta (snif!) em Paris. Chegamos na Gare de Lyon, descemos correndo do TGV e a van da Super Shuttle já estava esperando para levá-los pro aeroporto de Orly. Não pude ir até o aeroporto com eles pois o horário do trem de volta para Dijon não batia. Então lá se foram meus véios, e eu fiquei lá em pé na frente da Gare de Lyon, com cara de tacho e tempo de sobra pra chorar antes de voltar.

Achei que ficar chorando durante duas horas na estação de trem seria deprimente demais, então decidi dar uma volta por Paris antes de voltar pra casa.

Sabe a Adele no clipe de “Someone like you?”. Bem isso mesmo. Já que é pra ficar na fossa, pelo menos que seja perambulando por Paris.

Entrei no metrô sem saber exatamente pra onde ia, pulei no primeiro que passou e resolvi descer na estação Saint Paul, no Marais.

Chegando lá, fui andando pelas ruas em que estive na última vez que fui em Paris, olhando as lojinhas (sem comprar nada, claro, já que os Soldes d’hiver, as promoções do inverno, começam nesta quarta-feira!) e lembrei do Musée Carnavalet, que tinha visto por fora e prometido que visitaria assim que possível. O tempo era pouco mas decidi entrar assim mesmo.

O Musée Carnavalet tem como tema a história da cidade de Paris. Foi nesse momento que me arrependi de não ter trazido pra ler no trem um dos presentes que ganhei de Natal, o livro Métronome de Lorant Deutsh, que cairia como uma luva para a ocasião.

Primeira boa surpresa: a entrada no Musée Carnavalet é grátis! Melhor assim, já que não tinha muito tempo mesmo, pelo menos não fiquei com dó de gastar pra fazer uma visita corrida. Pelo que vi, um áudio guia custa 5€ e a entrada na exposição temporária também é paga.

Segunda boa surpresa: o museu é lindo, e não parece, mas é enorme! Ele fica dentro de dois palacetes, ou hôtel particulier, interligados por uma passarela que abriga uma galeria de quadros, e cercados por belos jardins.

Só o palacete em si já vale a visita. Li que o hôtel Carnavalet é um dos mais bonitos de Paris, e em alguns momentos tive a impressão de estar dentro de uma miniatura de Versalhes: salas que saem dentro de salas, cada uma mais suntuosa do que a outra. E dá-lhe espelho, pintura, candelabro, esculturas, tudo com ouro, muito ouro. Com a vantagem de além de ter a beleza do lugar, as coleções são muito interessantes.

Infelizmente, duas alas inteiras do museu estavam fechadas quando eu visitei. Não pude ver a parte sobre a pré-história de Paris, nem as salas de Luís XVI. Mesmo assim, achei interessantíssima a parte dedicada à Revolução Francesa e as reconstituições de quartos de personagens franceses como Marcel Proust, com os móveis que  pertenceram a eles de verdade.

Mas minha parte preferida foi a “Galerie des Enseignes”, a primeira do museu, em que é possível ver pôsteres e painéis de lojas antigas:

Único ponto negativo do museu Carnavalet : a visita não é por ordem cronológica e nem muito lógica, e às vezes você tem a impressão de estar meio perdido nas subidas e descidas de escadas e nas curvas dos corredores. Como o museu estava meio vazio e a sinalização não era lá essas coisas, tinha hora que era difícil saber se estava indo pra outra exposição ou a caminho do banheiro…

 

Link permanente para este artigo: http://www.viajarnafranca.com/2012/01/museu-carnavalet-em-paris/

5 comentários

Pular para o formulário de comentário

  1. Renata Rocha Inforzato

    Adoro esse museu, até escrevi sobre ele…Quando fui lá, interroguei sobre as salas fechadas e me falaram que é falta de pessoal (!) para vigiar as salas. Bem que eles poderiam empregar os estudantes estrangeiros para suprir isso. Não faltaria pessoal e seria uma boa maneira de reduzir o desemprego….

    Quanto ao mapa, consegui fazer uma visita cronológica pq comprei um pequeno manual na livraria Monalisait….Demorei 3 dias pra ver o museu, mas pq queria pegar todas as salas abertas. Então, a que estava fechada em um dia, estava aberta em outro e lá ia eu até lá rsrsrsrs

    Leio sempre seu blog mas é a primeira vez q comento. Parabéns!

    1. Ana Veloso

      Oi, Renata! Que dica boa essa do manual. Vc lembra como ele se chama? Estive nessa livraria no dia que fui no Carnavalet mas nem me ocorreu procurar por algo desse tipo. Meu passeio por lá foi totalmente improvisado então nem me liguei em nada.

      Eu realmente percebi que quase não tinha gente vigiando as salas, e como também não tinha muito visitante no museu naquele dia, tinha hora que eu me sentia num castelo abandonado. Outras horas era só gente tirando foto com flash e cutucando as coisas com o dedão sujo…

  2. Livia Mayer

    “Sabe a Adele no clipe de “Someone like you?”. Bem isso mesmo. Já que é pra ficar na fossa, pelo menos que seja perambulando por Paris.”

    A FRASE!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

    1. Ana Veloso

      Já que é pra se lascar, é melhor se lascar com classe, não é mesmo, Livia?? 😀

  3. Fernanda

    Descobri o seu site hoje e estou aqui fuçando! rs Não sou de comentar em blogs mas esse post desse museu não podia deixar passar… Fui para Paris em 2003 (quase 10 anos!!! PRECISO voltar!!!) e não me lembro de alas fechadas não. O que eu e meus pais mais gostamos lá foram os mapas, maquetes e quadros da cidade, mostrando como era antigamente e como é hoje… Fascinante pra quem gosta de história como nós 3… Gostamos tanto que depois começamos a incluir o museu da historia da cidade em todas as viagens possíveis: Londres, Amsterdã, Nova York, etc… Mas nenhum chega aos pés do Carnavalet (e olha que Paris nem é nossa cidade preferida…). Super recomendo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>