Dijon, parte 2: passeio de um dia

Passeando em Dijon

Chegando em Dijon, a estação de trem fica bem no centro da cidade e você pode fazer tudo a pé. Assim que sair da estação, logo à direita fica o Office de Tourisme. Entre lá, pegue um mapa da cidade e compre o “Percurso da Coruja”, guia do centro histórico da cidade. Ele custa apenas 3€50 e vai guiá-lo pelos 22 pontos mais interessantes da cidade, seguindo as flechas de bronze pelo chão. Ele existe em português do Brasil, coisa rara na França! A versão brasileira foi feita por moi, na época que trabalhava lá :) Escrevi um post sobre o Percurso da Coruja que pode ser lido aqui.

Pronto! Agora você está equipado para seu dia em Dijon!

Continue pela avenue Foch, o centro histórico fica a 5 minutos da estação de trem. Siga o Percurso da Coruja, passando pelo Jardim Darcy até chegar na porte Guillaume, o mini Arco do Triunfo de Dijon.

A rua que começa na Porte Guillaume, a rue de la Liberté, é uma das principais ruas de Dijon, e a mais movimentada. Ela não está no percurso mas não deixe de passar por ela. Na rue de la Liberté ficam lojas ótimas, como a Galeries Lafayette e a Boutique Maille, que vende uma quantidade enorme de mostardas diferentes (existe uma réplica desta loja em Paris, na Madeleine), aromatizadas até com caviar. A minha mostarda preferida é a moutarde au Chablis, que sai fresca da torneira igual chope. Você pode degustar vários tipos e escolher a sua, é uma ótima idéia de presente.


 

Se você estiver em Dijon numa terça, quinta, sexta ou sábado, o Marché des Halles é uma parada obrigatória! Lá é possível encontrar ótimos produtos, em especial o jambon persillé, ou presunto com uma espécie de gelatina de salsinha, uma especialidade da Bourgogne. Mesmo sem comprar nada, vale o passeio! Mas vá logo cedo, pois o mercado só funciona de manhã, e na quinta apenas algumas barracas estão abertas. Alguns dias tem também uma feirinha de antiguidades nas ruas vizinhas, principalmente perto da Place Grangier e da Place François Rude na foto aí embaixo.

 

Pausa para o almoço

As ruas em volta do Marché des Halles são uma ótima opção para almoçar. Dê uma volta completa no mercado e procure nas ardósias o menu que mais te apetece! Os restaurantes aqui são muito bons e baratos, com produtos frescos vindos diretamente do mercado. Meus preferidos são o restaurante L’O (formule entrada + prato + sobremesa por apenas 13€), o Casa di Lola (massas e pizzas) ou o D’Zenvies. Se estiver com vontade de um restaurante mais elaborado, com menu tradicional da Bourgogne, prefira os restaurantes gastronômicos como “La Dame d’Aquitaine” (place Bossuet) ou Les Oenophiles (rue Sainte Anne). São mais caros mas oferecem uma cozinha e vinhos de altíssima qualidade!

Uma particularidade das cidades de pequeno e médio porte da França como Dijon é que os restaurantes só funcionam de 12 às 14h. Se você chegar às 13:45 querendo almoçar, é bem provável que nem te aceitem mais, ou que a maioria dos pratos tenha acabado. Ou seja, fique esperto pra não ter que se contentar em comer um lanche no Mc Donald’s!

Os museus de Dijon

Depois do almoço, continue seguindo o Percurso, mas não deixe de entrar em um dos museus. Dijon tem 8 museus com temas diferentes, o que é excepcional pra uma cidade desse tamanho. Como num dia só não dá pra ver todos, escolha o mais legal, que é o Musée des Beaux-Arts, que fica no Palais des Ducs et des Etats de Bourgogne. Esse realmente é imperdível! Além da coleção ser super interessante, o museu é lindo, pois fica num palácio, assim como o Louvre. O destaque fica para a Salle des Gardes, onde se encontram os túmulos dos Ducs de Bourgogne. O melhor disso tudo? Todos os museus de Dijon (exceto o Musée Magnin) são grátis!

  

Ainda no Palais des Ducs é possível subir na Tour Philippe le Bon. As subidas são organizadas a cada 45 minutos e custam 2€30. Vai ser preciso um pouco de fôlego pra subir a pé os 316 degraus que levam ao topo, mas a vista compensa! O interessante é procurar pelos telhados coloridos típicos da Borgonha, feitos de telhas vitrificadas:


Aproveitando que já queimou umas calorias com a subida, antes de voltar passe em uma das lojas que vendem outra especialidade de Dijon: o pain d’épices. É como um pão de mel, sem cobertura de chocolate, e um pouco mais seco. Ele não é ideal pra ser consumido puro, mas é uma delícia com geléia ou foie gras. As lojas La Rose de Vergy (rue de la Chouette) et Mulot et Petit Jean (place Bossuet) são as mais tradicionais. Os biscoitos, balas e doces da Rose de Vergy são feitos na própria loja todas as manhãs e a loja da Mulot et Petit Jean é lindíssima e vale uma visita nem que seja só pra olhar.

 

10 opiniões sobre “Dijon, parte 2: passeio de um dia”

  1. É mesmo, Raquel. Dá vontade de ficar mais – da próxima vez vamos planejar pra ficar pelo menos uns dois dias, aí a gente aproveita e vai visitar a dona do blog na casa nova.

  2. Boas dicas de Dijon e melhor ainda a versão em português do Guia da Coruja!!

    Irei a Dijon no mês que vem, mas estou em dúvida se compro os bilhetes do TGV Paris-Dijon agora ou deixo para comprar lá. Pela internet, o site da Rail Europe está cobrando R$ 152,00 de taxa de reserva + R$ 29,00 pra entregar os bilhetes físicos no meu endereço ( o preço de 2 bilhetes 2ª classe superior está saindo por R$ 510,00 + as taxas que mencionei anteriormente, total de R$ 690,00 ).

    O que vc acha que devo fazer?

    1. Oi, Felipe
      Acho que não vale a pena pagar taxa pra tirar passagem com antecedência não, chegando em Paris compre direto na estação, ou então no site http://www.voyages-sncf.com, escolha a opção de imprimir os bilhetes!! Assim vc evita taxa de reserva e de envio… 690 reais me parece muito caro pra esse trecho, que normalmente fica por volta de uns 60€ por pessoa! Bjos

  3. Oi Ana!

    Gostaria de saber se na estação de TGV de Dijon tem guarda-volumes. Vou passar 2 dias em Dijon e no 3ª quero ir a Beaune, vou estar com uma bagagem de mão apenas mas não queria levá-la para Beaune e não queria deixar no hotel e ter q voltar lá. Se tiver guarda-volumes na estação de Dijon posso deixar lá e pego na volta, na baldeação para Paris. Vc sabe me falar se tem?
    Obrigada!

  4. Boa noite… Estarei em Beaune em setembro e farei um bate volta de carro a Dijon. Pretendo chegar cedo para fazer o percurso da coruja. É difícil encontra estacionamento no centro da cidade? Onde devo começar o percurso? obrigado pela atenção.
    Fernando De Luca

    1. Fernando, estacionar em Dijon é bem complicado, o melhor é ir a um dos estacionamentos subterrâneos (Darcy, Dauphine e Grangier são os mais centrais) e deixar o carro. O Percurso começa aonde vc quiser (vc pode fazer os pontos fora da ordem) mas vc compra o livrinho no Office de Tourisme que fica na Rue des Forges.

  5. oi Ana … Estarei em Dijon em28 e 29 dez 2013. Gostaria que vc me falasse se vou pegar neve nesta época e se devo já levar sapatos neve daqui do Brasil ou se devo compra- Los aí qdo chegar .. e acessórios ….. Vou de carro de Paris a Dijon … É fácil dirigir nesta época do ano ou tem muita nevasca?

  6. ah Dijon terra de meus sonhos,tantas vezes por lá passei, muito gostaria de lá tornar,conheço Dijon como as palmas das minhas mãos, deixa-me com tantas saudades, não só Dijon mas toda a Cote D’or, é uma delicia, aprendi muita coisa,pois era motorista de camião fazia o trajeto 3 vezes por semana a essa bela cidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>